O na íntegra - Jornalismo Coragem

Sábado, 21 de maio de 2022
MENU

Política

O "Xadrez" do atual cenário político tocantinense

O termo "xadrez" não é nenhuma referência aos políticos envolvidos em escândalos de corrupção, investigação policial ou com passagem pela cadeia.

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Começo o texto esclarecendo, que o termo "xadrez" não é nenhuma referência aos políticos envolvidos em escândalos de corrupção, investigação policial ou com passagem pela cadeia, vulgarmente conhecida como "Xadrez". É apenas, uma comparação ao jogo de tabuleiro.

No tabuleiro do jogo politico tocantinense, as jogadas podem serem diversas, mas vamos falar sobre as mais prováveis na definição final das chapas marjoritarias e as chances de uma delas sair bem sucedida no resultado das urnas.

Wanderlei Barbosa 

Antes de pensar no resultado final, faz-se necessário construir um grupo forte e com musculatura politica. Dificuldade que provavelmente o governador do Estado Wanderlei Barbosa (sem partido), não terá. Um candidato no palácio sempre terá 20 deputados e 100 prefeitos. Bom palanque e coligações.

Com certeza o atual governador em exercício  ainda não foi medido com a estrutura que terá de musculatura, deputados, Prefeito e vereadores.

 Eduardo Gomes

O Senador da República Eduardo Gomes, líder do Governo Bolsonaro, dar sinais de que será candidato ao Governo do Estado e já iniciou as visitas. O jornal O Estadão afirmou na última terça-feira, 18, que Gomes é o candidato do Presidente no Tocantins.

Ronaldo Dimas 

A situação mais caótica e complicada é a do ex-prefeito de Araguaína. Ronaldo Dimas (apelidado por algumas lideranças política como professor de Deus) não terá prefeitos, não terá deputados ( talvez Luana Ribeiro e os escândalos de corrupção que lhe acompanham) mas terá uma chapa de estaduais e com dificuldades de Federais para fazer a vaga do Thiago. Os outros 7 Federais irão : Célio Moura vai para o Paulo Mourão. Eli Borges, Damaso, Gaguin a princípio com Wanderlei. Dorinha vai depender do palanque que melhor oferecer opção para ela ser senadora. Dulce deve esperar a decisão de Eduardo Gomes e MDB.

Paulo Mourão 

A situação de Mourão parece das mais confortáveis. O ex-presidente Lula, com certeza vai ajudar pedindo votos para o petista. Na grande verdade o PT Nacional já tem ajudado bastante é possível que Mourão tenha grandes partidos em seu palanque sem grandes esforços ou articulação, graças a uma jogada de mestre do ex-presidente da República e o diretório nacional que trabalham a formação de uma federação partidária. 

Mourão  foi prefeito de Porto Nacional, um gestor eficiente, premiado e aprovado pela população. Um político maduro, comedido, homem de poucas palavras, de bom conhecimento. Tem formação, saberá narrar com clareza um projeto de Governo. Um candidato na altura da estatura do PT no Estado. Um nome na medida certa para a estrutura política do PT no Tocantins.Conhece Brasília bem, conhece o Lula e é conhecido por ele.

Disputa pelo Senado

A outra importante variável, será qual candidato a senador, ficará com quem. A Senadora Kátia Abreu poderá colar nos pedidos de voto do Lula/Dilma e ficar com Paulo, inclusive Kátia já teria conversado com Lula e Dilma com quem mantém boa relação. No entanto a rejeição ao nome da Senadora na composição de uma chapa majoritária encabeçada por Mourão é quase uma unanimidade dentro das diversas correntes ideológicas do partido dos trabalhadores no Tocantins. 

 A deputada federal professora Dorinha também ambiciona disputar uma vaga ao Senado e guarda uma decisão do senador Eduardo Gomes, ele não saindo candidato, ela avaliará o melhor palanque já que ela tem um grupo de cerca de 50 prefeitos. O palanque do atual governador Wanderlei Barbosa cairia bem para ela e para ele também.

Ainda tem Marcelo Miranda, se o ex-governador tiver aprendido com tantas cassações, feridas abertas e cicatrizes, já tendo a esposa Dulce Miranda como Deputada Federal e grande chances de reeleição, ele deveria recomeçar e ter uma candidatura folgada de estadual, possivelmente o mais votado do Estado.

Mas o Marcelo quer a candidatura do Senado. Aí ele poderia carregar o partido para o palanque do Paulo e ser o candidato ao Senado,  Digo, carregar o partidos já com o senador Eduardo Gomes fora da sigla, esse acompanhando o presidente Bolsonaro .

Criando capilaridade, tempo de televisão, capital financeiro da Naciona e apoio do Lula.

Trocando em miúdos 

Por fim, é  possível afirmar que se ele Gomes não sair candidato, os pré-candidatos estaduais e líderes irão buscar um partido e irão atrás do palácio. 

A grande realidade é que o natimorto projeto político de Dimas está muito dependente do Senador, e caso o Gomes não o apoie, ele terá que repensar a vida. A candidatura pode fazer água.

Laurez Moreira também anunciado como pré-candidato e quase certo que nos próximos dias desista da candidatura e apoie Wanderlei Barbosa. 

Resta ao governador Wanderlei encontrar um partido, construir um arco de alianças, tentar atrair Gomes, Laurez e Dorinha, Gaguin. Fazer o desenho da majoritária geograficamente sem desprezar Araguaína, Gurupi, Bico e Palmas e chegar na disputa com força política e competitividade.

Onde tudo poderá resultar? Só o tempo e as urnas dirão.

Créditos (Imagem de capa): Internet

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!