O na íntegra - Jornalismo Coragem

Sexta, 19 de agosto de 2022
MENU

Política

O "Novo Cangaço" da política tocantinense

Não foi um passarinho que me contou, mas uma grande águia que voa e vigia 24 horas, 7 dias da semana, 12 meses por ano.

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Dos tempos do norte de Goiás e ao longo dos anos em que mandaram na política do Tocantins, os coronéis fizeram da política partidária, a verdadeira arte de puxar o tapete dos adversários. Explico: Quando uma liderança nova despontava sem a “autorização” dos coronéis, a maneira mais rápida de cassar-lhe o voo, era deixar o cabra soar a camisa, fazer um partido nos 139 municípios, filiar prefeitos, vereadores e líderes e depois…

Partiam  eles para Brasília e negociavam com os “dirigentes” nacionais partidários e conseguiam tomar o partido e voltavam com uma nova comissão provisória, já devidamente sem o jovem topetudo que se achava no direito de crescer e alçar voo próprio, sem a bênção dos velhos caciques.  

São incontáveis as vezes e as vítimas de quem o coronel Siqueira, mais conhecido como "Ditador do Cereado"  tomou o partido na última hora. Paulo Mourão, Osvaldo Reis, Raul Filho, Antônio Jorge, Gaguin e segue uma imensa lista de preteridos. 

O meu caro leitor pode achar que esses tempos passaram e que impera hoje, uma nova política. Ledo engano. Em pleno século 21, exatamente em 2022, a menos de 65 dias para o encerramento do prazo de filiação partidária, a prática do “puxar o tapete” está prestes a fazer mais uma vítima. 

É isso mesmo leitor! Mesmo com a partida do Dr Brito Miranda, com a aposentadoria compulsória do coronel Siqueira, sem a presença do José Freire pai, Derval de Paiva, Joao Cruz e Paulo Sidney, surge no tocantins o  “Novo Cangaço partidário". 

Essa pode ser a maior bomba desse período de articulação política para as eleições de 2022. Dessa vez o autor da façanha é o novo coronel do cerrado, o sanguessuga, Eduardo Gomes. Ele que já entrou no PMDB do Marcelo Miranda pela janela, mesmo sem ter confirmado que será candidato a governador do Tocantins, o carrasco Gomes, vai arrancar o náufrago, ex-senador Vicentinho Alves, da presidência do PL, o Partido Liberal. É isso que vocês estão lendo. O partido do Capitão Bolsonaro, vai mudar de mãos e terá o chefe do novo cangaço tocantinense, senador Eduardo Gomes, como presidente. 

Mas esperarem aí ? Ele será candidato a governador do Tocantins? Não! E a vantagem será inteira de outro novo coronel desse estado, Ronaldo Dimas. O  senador Gomes já escolheu o professor de Deus, Dimas, para receber mais uma sigla no seu Titanic,  que ele dirige e que vai levar centenas de vítimas ao naufrágio. 

Mas o Dimas apoia o Bolsonaro? Não! Ele poderá apoiar o ex-juiz Sérgio Moro para a presidência da república. Mas isso não importa para o líder do capitão Bozo no senado. O que importa para ele é viabilizar o homem do chapéu branco, que vai permanecer no Podemos, mas contando com o PL do finado ex-senador Vicentinho Alves.  

Com isso os vicentinhos dão adeus a disputa, vão mendigar um partido e só lhes resta recorrer a “competência” da também cangaceira Kátia "Maria Bonita" Abreu.  

Sorte do deputado Paulo Mourao que segue firme e seguro, dentro do PT e com o apoio do presidente Lula, rumo ao palácio Araguaia.

PS: O PT jamais admitiu que os piratas saqueassem a sua história.

Querem uma prova da força do pirata e cangaceiro Eduardo Gomes ? O presidente Bozo viria ao Tocantins, no próximo dia 4/2, exatamente na terra natal  e berço político dos vicentinhos, Porto Nacional. Só que eles esqueceram de combinar com o Lampião ! Resultado ? O cangaceiro  cancelou a festa e avisou: Quem manda lá sou eu !

Créditos (Imagem de capa): Internet

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!